Você se Lembra?

Você se Lembra?

domingo, 5 de abril de 2015

Navio "Presidente Vargas"


Navio de passageiros de bandeira brasileira, que fez parte da famosa Frota Branca, outrora tão apreciada dos paraenses. O "Presidente Vargas" pertenceu à ENASA - Empresa de Navegação da Amazónia S.A. (ex-SNAPP) e ligava (transportando passageiros e carga) alguns portos da vasta bacia hidrográfica do Amazonas. Este pequeno paquete de vocação fluvial foi construído em 1953 num estaleiro dos Países Baixos (Haarlemsche Scheepswerven Maatschappi) e era a maior e mais elegante unidade da tal Frota Branca, que compreendia, igualmente, os navios "Lopo d’Almada", "Augusto Montenegro", "Leopoldo Peres" e "Lauro Sodré", todos eles construídos na Holanda. O "Presidente Vargas" apresentava 1 515 toneladas de arqueação bruta, media 80,20 metros de comprimento por 11,30 metros de boca e podia atingir graças às suas 2 máquinas diesel a velocidade de 17 nós. Com uma capacidade (oficial) para 500 passageiros distribuídos por três classes distintas o "Vargas" era tido como muito confortável pelos seus usuários, que apreciavam, para além do conchego das suas acomodações, o seu sistema de ar condicionado e o ambiente social criado pelos passageiros que o frequentavam amiúde, ou episodicamente, nas suas viagens de lazer ou de negócios. Depois de 18 anos de bons serviços prestados às populações do Pará (mas não só), o "Presidente Vargas" afundou-se, surpreendentemente, por volta das 21 horas do dia 4 de Junho de 1972, pouco depois de ter largado amarras do cais de Soure, uma localidade da ilha do Marajó banhada pelas águas do rio Paracauary. Porto onde o "Vargas" havia desembarcado toda a sua lotação de passageiros. No naufrágio do prestigioso navio da ENASA não houve vítimas mortais. As causas do seu naufrágio nunca foram esclarecidas, o que deu azo a rumores de afundamento premeditado por obscuras razões. Ainda foram feitos alguns estudos e tentativas para reemergir e recuperar o "Presidente Vargas", nomeadamente um apresentado por peritos vindos dos Estados Unidos. Mas o que é facto, é que o elegante navio amazónico ainda hoje jaz no fundo lamacento do Paracauary…


Nenhum comentário:

Postar um comentário