Você se Lembra?

Você se Lembra?

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Santarém: A saga do Cinerama...

Como prometi no meu primeiro artigo, vou falar sobre o Cinerama. Inaugurado em  junho de 1978 e fechado em março de 2006, o último cinema de Santarém até o momento, sempre teve na sua trajetória  de quase 30 anos a árdua tarefa de entreter um público diferenciado em nossa cidade.

O cinema fora construído como resposta à inauguração do Cine Tapajós em 1977 no térreo do então Hotel Tropical. Antes disso, nós tínhamos o Cine Olímpia que concorria na época com o Cine Acácia e os dois cines eram a única opção para todos, tanto para a alta sociedade como para o povão. Ventiladores, cadeiras de madeira, ausência de tratamento acústico e tantos outros inconvenientes eram comuns às duas salas.

Quando o Cine Tapajós foi inaugurado com grande pompa e luxo, a high society santarena debandou-se para o novo cinema. Ar-condicionado, cadeiras estofadas,  acústica perfeita  e design moderno cativaram os mocorongos que abandonaram o Cine "Olympia" que ainda resistiu por mais nove anos graças ao povão. Óbvio que o ingresso era bem mais caro, segregando o público entre os cinemas e resultando no esvaziamento tanto do Olímpia como do Acácia.

Por questão de sobrevivência, meu pai (Raul Loureiro) decidiu construir um cinema ainda mais moderno e luxuoso para suplantar o Cine Tapajós.  Nessa guerra, éramos nós contra a poderosa Varig, dona do Hotel Tropical e de uma cadeia de hotéis luxuosos pelo Brasil como também a maior companhia aérea da América Latina.

No início, a programação do Cine Tapajós acompanhava aos lançamentos de filmes junto com as capitais, nem preciso dizer que a Varig trazia os filmes de graça em seus aviões. Finalmente, depois de um ano e meio de construção, inauguramos o Cinerama. Ele era tão moderno na época, que  jornais de Belém e Manaus noticiaram o feito com muitos elogios. Até hoje, ele é um prédio que impõe respeito com a sua fachada. Foi o único cinema do país com sala de vidro exclusiva para fumantes e a tela tinha uma curvatura tão ampla que era comparável à uma rampa de skate. Isso trazia conforto visual para quem assistisse ao filme sentado nas laterais. A central de ar era enorme e consumia uma quantidade absurda de água e energia elétrica. 

Enfim, conseguimos trazer o público de volta para o nosso lado. Tivemos sorte, pois o Cine Tapajós já não estava mais conseguindo trazer lançamentos como no início pois o Hotel estava dando muito prejuízo para a VARIG, na verdade esse investimento nunca se pagou.  Em poucos anos, o Cine Tapajós fechou suas portas.

O Cinerama funcionou solitário por vinte anos, porém tinha muitos "concorrentes": Televisão, barzinhos, restaurantes, shows, boates, locadoras de vídeo e a internet mais recentemente.  E durante esse tempo, a sala foi se deteriorando, os projetores foram quebrando, o ar-condicionado já não era como antes, os costumes foram mudando, o público estava ficando cada vez mais exigente e ao mesmo tempo intolerante ao fato de não passarmos os filmes ao mesmo tempo que as capitais. Esse sempre fora o nosso "calcanhar de Aquiles". Nós fazíamos um esforço hercúleo para trazermos grandes filmes o mais rápido possível mas era como ficar enxugando gelo. É preciso entender que nós éramos uma sala de cinema, entre as mais de 1.800 (Mil e Oitocentas) espalhadas pelo país, localizada no interior de um Estado da região Norte e com um público pífio.

É preciso esclarecer que até hoje só fazem no máximo 600 (seiscentas) cópias de cada lançamento, e não é nenhum "DVDzinho" ou fita de vídeo como muita gente "achava" que era projetado na tela e sim uma latas enormes com 35 quilos de peso com um frete aéreo caríssimo, chegando a Mil reais ao mês. Mesmo as salas modernas atuais, localizadas fora das capitais (com raras exceções), não exibem os filmes simultaneamente quando do seu lançamento. Elas ficam esperando a vez, como matematicamente já expliquei. A prioridade são de salas com grande demanda de público.

Tentei dar uma luz para vocês entenderem todo o processo, mas são muitas coisas juntas que levaram ao fechamento do Cinerama. Porém, vinte e oito anos de funcionamento foi algo extraordinário para os dias atuais. Agora já não existem mais "cinemas de Rua" e de tradição familiar, o modelo atual é de várias salas dentro de Shopping Centers controladas por grandes grupos empresariais. O padrão de sala de cinema mudou. Hoje, tudo mudou.

*Emanoel Loureiro é cineasta            

Fonte: Janela Amazônica

Nenhum comentário:

Postar um comentário